20170713

O que é música comercial: entenda

No país onde a definição de escândalo precisa de atualizações diárias, quase ninguém se importou com o surgimento da “banda institucional” de uma grife carioca. Para quem está por fora, a tal confecção feminina contratou um grupo – na verdade, uma dupla chamada Flor de Sal – para a representar na música. Antes de gravar, os integrantes receberam orientações do marketing da companhia sobre temas e influências, incluindo uma lista de palavras que traduziriam o lifestyle da marca. Daí resultou um disco com 10 faixas, lançado nos serviços de streaming pelo selo da própria cliente.



Hmmm, interessante. Possíveis reações: um, o público ouve sem saber do que se trata e se sente enganado ao descobrir; dois, o público sabe do que se trata e nem ouve. Em ambas, os responsáveis pela estratégia desprezam uma condição elementar para que a experiência funcione: quando é música que se procura, é música que se deve ouvir, não propaganda. Talvez fosse muito mais eficaz a grife pagar alguma artista com o qual se identifique para associar sua marca a ela. Ou simplesmente vesti-la, uma parceria simpática às claras e sem maiores consequências se velada.

Não é propaganda, é branding, dizem especialistas. Beleza. Música e publicidade sempre andaram juntas mesmo. Via patrocínio. Nos jingles. Em canções vendidas para campanhas. Tudo isso é conhecido e aceito, jogo jogado. Mas a zona cinzenta entre uma e outra tem que ser muito acessada com muito tato para corresponder. O tosco merchandising em letras desfila elegância ímpar perto da adoção de uma espécie de banda customizada para transformar branded content em música. Ninguém quer que ninguém ganhe dinheiro com o talento que tem, seria injusto demais. A gente só acha que, assim como um tanto de integridade, um pouco de cinismo é fundamental.

***

Ah, é. Parabéns, rock.


E por falar em exposição na mídia
Vitrine das boas para a cultura pop em Florianópolis: o sagaz Marcelo Siqueira está com um programa pautado pela música, artes plásticas, cinema, fotografia e demais reinações criativo-comportamentais que brotam do fértil solo local ou aportam na ilha. O negócio atende pelo nome de Emenda, é atualizado toda semana e já chegou à quinta edição. Na terceira, por exemplo, há uma entrevista com o ex-vocalista do Dazaranha, Gazu, que é reveladora pelo que não diz. Em vez de ficar batendo na surrada tecla de por que ele saiu da banda, a conversa gira em torno do presente e do futuro.




 ANÇAMENT
OS


Don L, Roteiro para Aïnouz Vol. 3 – O primeiro (apesar do número) volume da trilogia prometida pelo rapper cearense esbanja letras espertas, calcadas no vocabulário da juventude conectada, e batidas que fogem do lugar comum. O cara é bom, mas falta o hit, como foi “Chapei” no ano passado.



Haim, Something to Tell You – O trio de irmãs californianas goza de uma moral entre certa parcela do circuito hipster que é difícil de entender. No segundo disco predomina um pop radiofônico que, quando dá liga, lembra Sheryl Crow. A mais, senão única, faixa convincente é “You Never Knew”.



(coluna publicada hoje no Diário Catarinense)

Nenhum comentário: